Coronavírus: Nadal gostaria de voltar com as portas fechadas ATP Tour

Rafael Nadal saltaria para a oportunidade de jogar ténis de competição à porta fechada, depois de admitir que tinha dificuldades em lidar com o início da crise do coronavírus.

O 19 vezes vencedor do Grand Slam está à margem em Mallorca e previu que o torneio de ténis permanecerá em suspenso por muito tempo.

Nadal diz que a saúde pública é o assunto mais importante, mas revelou numa entrevista de rádio na quarta-feira que tem falado com Novak Djokovic sobre a forma como o ténis recupera.

Em entrevista à estação de rádio Cadena Cope, numa emissão de angariação de fundos da Cruz Vermelha, Nadal afirmou que a saúde pública é o assunto mais importante: “Estou a lidar melhor com a quarentena do que há três semanas, o ser humano tem a capacidade de se adaptar.

“No início, as terríveis notícias entristeceram-me e tiraram-me o desejo de acordar, o dia todo a ver televisão e não havia nada de positivo”. Com o passar dos dias, voltei à minha rotina, com sessões duplas todos os dias para me manter em forma”.

“Voltei de [o evento cancelado da ATP Tour no] Indian Wells numa quarta-feira e nesse sábado o estado de alarme era oficial”. Foi um choque. Sabendo o que estava a acontecer em Itália, eu sabia que estava a chegar a Espanha.

“Em Indian Wells eu estava a dormir [na casa do] dono do torneio, que é uma pessoa muito ligada, e na sua casa fui impedido de abraçar alguém e estava a manter distância”.

A temporada de tênis está em espera até meados de julho, na melhor das hipóteses, com Wimbledon cancelado e o Open de França adiado para o início de setembro.

Nadal, um recordista 12 vezes campeão Roland Garros, faz 34 anos em Junho.

Disse ele: “Não estou preocupado com o ténis agora. Faço trabalho físico para não deteriorar o meu corpo”.

“O ténis não é como o futebol, o nosso desporto envolve mais viagens. Até haver [uma] cura, a situação será realmente complicada”. Precisamos de ser responsáveis.

“Não posso assistir a um torneio oficial a curto ou médio prazo.

“A saúde está em primeiro lugar. Mas se fosse possível jogar à porta fechada, eu ficaria muito feliz”. Falei muitas horas com a Novak para ver como podemos ajudar o nosso desporto”.

O sérvio Djokovic, que ganhou o seu 17º Grand Slam no Open da Austrália deste ano, está a passar o período de quarentena na sua casa em Marbella.

Falou também com a estação de rádio e sublinhou que não gostaria que a decisão de retomar a digressão de ténis fosse tomada à pressa.

Djokovic, que faz 33 anos em Maio, afirmou: “Ténis à porta fechada? Depende. Não é uma decisão fácil. É maior do que o nosso desporto, esta decisão.

“Estou pronto para jogar, mas isto vai chegar nos próximos meses. Tenho sorte em estar com a minha família. Normalmente, estamos sempre a viajar”.