Coronavírus: Cabrera Bello visa o papel da Ryder Cup

Rafa Cabrera Bello está a aguentar as esperanças de fazer outra participação na Ryder Cup este ano.

O espanhol estreou-se invicto há quatro anos, conquistando um ponto e meio em conjunto com o compatriota Sergio Garcia, antes de marcar uma vitória individual sobre Jimmy Walker.

A vitória foi para os Estados Unidos por uma margem de 17 a 11 em Hazeltine, mas deu a Cabrera Bello o gosto pela competição que esperava voltar a desfrutar.

Ele ficou em 17º lugar na tabela europeia de pontos antes da época de 2020, com uma paragem devido à pandemia de coronavírus, precisando de uma corrida forte para pressionar uma reivindicação de selecção.

A Ryder Cup deste ano, no Estreito de Whistling, está inevitavelmente em dúvida devido à incerteza sobre quando o desporto pode recomeçar, mas a elite do golfe não pode permitir que o seu foco deslize completamente.

Falando com o Stats Perform, Cabrera Bello disse: “Os meus objectivos no início da época, quando isto não estava planeado, eram a qualificação para a Ryder [Taça], para os Jogos Olímpicos, continuar a progredir no ranking mundial, ganhar torneios, e esses objectivos não mudaram”.

O treinador salientou que as prioridades estavam a mudar e que a saúde era primordial, com o objectivo de voltar “à normalidade ou à nova normalidade o mais rapidamente possível”.

“Se me qualificar para a Ryder Cup, é claro que a vou jogar”, disse Cabrera Bello. “E o U.S. Open, como um grande evento, é minha intenção jogá-lo também. Estou à disposição do capitão da Ryder Cup. Se ele achar que sou o melhor complemento para a equipa, estarei lá com o melhor espírito possível”.

O skipper europeu Padraig Harrington está certamente a acompanhar os jogadores como Cabrera Bello, de 35 anos, que ocupa o 46º lugar no ranking mundial e está empatado em quarto no Open de 2017.

Três vezes vencedora do European Tour, Cabrera Bello é actualmente uma residente relutante na Florida.

A sua residência habitual é no Dubai, mas Cabrera Bello optou por ficar nos Estados Unidos no início do surto de coronavírus devido a preocupações de não poder voltar a entrar no país para os Mestres.

O evento de Augusta foi, no entanto, adiado em breve e vai ser disputado em Novembro.

“Se eu soubesse que esta paragem ia ser tão longa, não teríamos considerado ficar aqui”, disse Cabrera Bello.

“Mas nessa fase a informação era limitada e a suspensão sugerida ia durar apenas três semanas e o Masters ainda ia ser anunciado”.

“Já começaram a existir restrições de voo para a Europa, pelo que nos preocupava ir para a Europa e não poder voltar ou ir para o Dubai, onde vivo com a minha família, e não poder voltar para os Mestres porque tínhamos de passar uma quarentena”.

“Por isso decidimos ficar aqui e depois os Mestres foram adiados.

“Nessa altura, a Europa estava numa situação delicada com uma quarentena iminente e o Dubai não permitia a entrada, nem sequer aos residentes, por isso decidimos ficar aqui e estamos neste processo agora”.

Pelo menos ele tem uma distracção bem-vinda, depois de ele e a mulher Sofia se terem tornado pais, em Agosto passado, de uma filha, Alva.

“Estou a fazer trabalho de manutenção neste momento para que o meu swing [de golfe] não enferruje”, disse.

“O resto da rotina é ficar em casa, passar tempo juntos, desfrutar do nosso bebé que agora tem oito meses de idade. É maravilhoso, brincar com ela todos os dias e vê-la crescer”. É a melhor coisa do mundo”. Dentro desta situação difícil, poder passar tempo com a minha filha torna-a muito mais controlável”.